Nosso Blog
Como a tecnologia pode melhorar os Jogos Olímpicos?

Como a tecnologia pode melhorar os Jogos Olímpicos?

Desde os primeiros Jogos Olímpicos da era moderna, em 1896, o maior evento multiesportivo do planeta evoluiu consideravelmente. O número de países envolvidos como atletas e espectadores só aumenta e as disputas em cada modalidade ficam mais intensas. A tecnologia não só está alinhada a este crescimento – ainda mais nos últimos anos – como estará mais presente do que nunca este ano.

A relação entre Olimpíadas e tecnologia sempre foi muito próxima. Se nas primeiras edições os espectadores só podiam contar com fotos em preto e branco e notícias em jornal impresso, hoje as pessoas podem acompanhar todos os esportes simultaneamente de qualquer parte do mundo.

Para os atletas, a tecnologia influenciou no aumento da segurança e da precisão de informações. Resultados de competições acirradas (como no atletismo ou na natação) não dependem mais da avaliação de olhos humanos para decidir o vencedor. Sensores contabilizam e anunciam os vencedores em tempo real com exatidão de milésimos de segundos para evitar quaisquer erros.

Estas melhorias foram sempre apresentadas em uma edição e levadas para os anos seguintes. Dá para imaginar então que as Olimpíadas de Tóquio 2020, em uma das cidades mais modernas e tecnológicas do mundo, prometem se superar neste quesito.

A tecnologia na experiência dos espectadores

Uma parcela importante do investimento em tecnologia em uma Olimpíada está voltada para o proveito dos fãs de esporte. Afinal, é por causa dos espectadores que este evento ganhou proporções gigantescas e milionárias.

Não importa se você vai acompanhar os Jogos Olímpicos presencialmente nas arenas ou se vai assistir pela TV. Você vai poder aproveitar várias novidades tecnológicas, já que existem melhorias nos dois sentidos.

Tradução

Para quem vai até o Japão e se preocupa por não saber uma palavra do idioma, os gadgets de tradução simultânea podem ser a sua solução. Os aplicativos mais recentes estão identificando melhor as vozes e dando resultados mais precisos.

Empresas como a Panasonic também trabalham para desenvolver aparelhos portáteis que traduzem instantaneamente e dispensam a necessidade de celulares e até internet. Tudo para facilitar a vida dos turistas perdidos que querem se comunicar com os locais.

Assistência

Se precisar de uma ajuda extra, que tal contar com amigos robóticos? O Japão sempre foi conhecido pelos robôs com inteligência artificial e aparência amigável. Em 2020, a ideia é ajudar os turistas com informações e atividades simples.

A gigante Toyota, patrocinadora do evento, anunciou 7 robôs que estão lançando para os Jogos Olímpicos, sendo 2 deles baseados nas mascotes Miraitowa e Someity. Alguns robôs ainda foram elaborados pensando nas Paralimpíadas, para dar assistência aos espectadores com dificuldades para andar ou para carregar a bagagem, por exemplo.

Mobilidade urbana

A mobilidade urbana é também uma preocupação nesta populosa metrópole. Se nas Olimpíadas de Tóquio de 1964 houve a inauguração do inovador trem-bala shinkansen, em 2020 o desafio de aprimorar o transporte público continua.

O próprio shinkansen está recebendo trens mais modernos, feitos para acomodar necessidade dos turistas, como espaço mais para bagagem e carregadores de celular. Além disso, os trens novos são mais silenciosos e leves, economizando mais energia. Também foram abertas novas estações na já extensa rede ferroviária japonesa.

O Japão também está investindo nos maglevs, trens que usam levitação magnética para alcançar velocidades recordes. A modalidade será inaugurada durante as Olimpíadas, mas só passará a levar passageiros comercialmente em 2027. Mesmo que os visitantes destes Jogos não possam aproveitar da novidade, é um inegável avanço em mobilidade.

Ainda em relação ao transporte, o sonho dos carros autônomos dará um novo passo em Tóquio. Fabricantes de automóveis estão trabalhando para colocar tipos de táxis que se dirigem sozinhos para a movimentar espectadores em trajetos curtos dentro da Vila Olímpica.

Imagem e conexão

Para quem assistirá às competições no conforto de casa, espere uma imagem com ainda mais definição e menos delay. Tóquio 2020 terá mais câmeras (e drones) e mais horas de filmagem do que Rio 2016. A futurística 8K, que foi brevemente testada em 2016, tratá imagens de alta definição para o evento inteiro. Para acompanhar a novidade, empresas japonesas já estão vendendo TVs 8K.

Com uma inovadora conexão de 5G na cidade, não apenas os moradores e visitantes vão aproveitar como os espectadores terão garantia de uma transmissão rápida e sem atrasos. É uma maneira de garantir que a experiência será impecável não importa de onde estiver assistindo.

A tecnologia para os atletas olímpicos

Os atletas são as estrelas dos Jogos Olímpicos, e claro que também existem novidades para melhorar a experiência deles. Algumas das tecnologias são similares às criadas usando para o público geral, mas adaptadas para as necessidades dos jogadores.

A própria vila dos atletas será bastante tecnológica, incluindo robôs para ajudarem em certas traduções, pedidos que eles tiverem e até para carregar o equipamento entre as áreas. Como parte da promessa de sustentabilidade que inicia esta nova etapa dos Jogos Olímpicos, a ideia da vila é trazer o menor impacto possível ao meio ambiente.

Por isso, a vila foi construída para ser toda energizada exclusivamente com hidrogênio. Quando falamos “toda” isto quer dizer até o quarto dos jogadores e suas equipes. Os ônibus que transportam eles também serão movidos a hidrogênio, sendo reabastecidos em postos perto da vila e das arenas.

Depois do fim dos Jogos Olímpicos, a vila, como de costume, será um legado para os moradores. O governo também pretende que este seja o futuro para o país, que quer diminuir o uso da energia nuclear desde o acidente em Fukushima.

Os atletas também encontrarão aprimoramentos para os seus treinos em Tóquio. A tecnologia de realidade virtual vai ajudá-los a simular cenários e experimentar as arenas antes mesmo de pisar lá. Isto ajudará a entender o ambiente que enfrentarão e a montar estratégias.

Não somente isso, mas a quantidade de informações que os atletas terão será maior do que nunca. Sensores e inteligência artificial vão recolher dados das competições em tempo real. Para modalidades com várias etapas ou chaves, é um recurso interessante para observar o seu desempenho, bem como o dos seus adversários.

Novo patamar

Uma palavra define bem as novidades para 2020: futuro. Todo o plano do comitê organizador é pensar em tecnologias que poderão ser usadas por muitos anos. Desde inovações permanentes para a cidade até ferramentas que podem aprimorar a rotina de treinos dos atletas daqui em diante.

São tecnologias que não vão melhorar apenas os Jogos Olímpicos deste ano, e sim todos os que ainda estão por vir. Por causa disso, Tóquio 2020 tem tudo para ser a edição de Olimpíada mais inovadora, sustentável e conectada de sempre, uma tendência que deve ser carregada para edições futuras.

Para os esportistas que sonham em participar de grandes competições como os Jogos Olímpicos, é fundamental saber como começar. E a tecnologia também é de suma importância neste contexto. A AtletasNow é uma plataforma digital de networking que aproxima os talentos do esporte com clubes, confederações e até patrocinadores. Cadastre-se no nosso site e faça parte da nossa rede!

[]