Nosso Blog

Voltar

Mulheres no esporte: conheça suas trajetórias e conquistas

Em grande parte do mundo, o simples fato de ser mulher é um desafio muito grande. Pouca inserção no mercado de trabalho, cargos e salários desiguais aos dos homens, poucas oportunidades, falta de respeito, violência, feminicídio, assédio, entre tantos outros percalços fazem parte da vida das mulheres até hoje.

Apesar de uma consciência dessas problemáticas e de ações para mudá-las estejam tomando corpo gradativamente, muito ainda tem que ser feito para a igualdade de gênero ser alcançada de fato.

No esporte, essa disparidade e a dificuldade de inserção e destaque feminino podem ser facilmente observadas. Antigamente, a maior parte das modalidades era composta apenas por times masculinos, como futebol, por exemplo, já que era considerado um esporte “de homem”. E esse conceito surgiu bem lá atrás, na Grécia Antiga, onde se acreditava que as mulheres ficariam masculinizadas com exercícios, além de considerarem que elas não tinham condições físicas para a prática de esportes.

Mais próximo da atualidade, a própria legislação do Brasil, no período em que os militares estiveram no poder, determinava que esportes como o jiu-jitsu, futebol, entre outros eram proibidos para mulheres. Veja:

“Art. 54. Às mulheres não se permitirá a prática de desportos incompatíveis com as condições de sua natureza, devendo, para este efeito, o Conselho Nacional de Desportos baixar as necessárias instruções às entidades desportivas do país” (DECRETO-LEI Nº 3.199, DE 14 DE ABRIL DE 1941).

Em 1965, o Conselho Nacional de Desportos decidiu que: “Não é permitida a prática de lutas de qualquer natureza, futebol, futebol de salão, futebol de praia, polo-aquático, pólo, rugby, hanterofilismo e baseball”.

Com o passar dos anos, esse paradigma de exclusão de gênero para determinados esportes foi se extinguindo a partir do momento que as próprias mulheres passaram a inserir-se nesse meio, mesmo com os olhares “tortos” dos homens e até mesmo de outras mulheres que passaram a concordar forçosamente com aquela realidade restritiva.

Diferenças nítidas

Mesmo com os avanços e quebras de paradigmas negativos, a maior parte dos atletas sempre foi homem, mesmo com categorias femininas de diversas modalidades criadas há pouco tempo. Além disso, os salários pagos e o reconhecimento das atletas femininas em comparação com os atletas masculinos ainda deixam muito a desejar, o que aponta um resquício de preconceito dos tempos passados. Isso ainda se aplica em diferentes esportes, como futebol, vôlei, tênis, natação, entre outros.

Números conseguem expressar isso mais facilmente: a média salarial das jogadoras que compõem os elencos dos principais times do Campeonato Brasileiro gira em torno de R$ 1.880,00. Já o salário do jogador Neymar Jr. é cerca de 75 vezes maior do que a soma do salário de 100 atletas juntas.

Além disso, o preço para assistir a esses jogos nos estádios também é bem diferente para os gêneros. Nos Jogos Olímpicos, maior competição mundial de modalidades, as entradas para a final de vôlei feminino custavam entre R$ 260,00 e R$ 900,00, enquanto as da final da competição masculina custavam entre R$ 350,00 e R$ 1.200,00.

Não são só os esportes profissionais que denotam essa diferença. A simples prática de exercícios físicos também é menor entre as mulheres do que entre os homens. A prática de exercícios físicos por mulheres no país é 40% inferior aos homens, fator esse provocado justamente por essa disparidade e inferioridade do poder feminino ainda presente no esporte.

Apesar dessa realidade, a história da luta feminina pela representatividade no esporte é belíssima e podemos destacar algumas das personagens principais nesse cenário. Confira!

Lutas e personalidades importantes

Com a indignação cada vez mais presente entre o público feminino que tinha vontade de crescer no esporte, cada país e modalidade tiveram suas heroínas que corroboraram para o avanço da aceitabilidade feminina nesse universo tão masculino. Nas Olimpíadas, maior palco esportivo do mundo, podemos destacar com orgulho a atuação da francesa Alice Melliat.

No ano de 1900 ela, acompanhada de mais 10 mulheres, foi até Paris para participar da primeira edição dos Jogos Olímpicos da era Moderna. Ela reivindicou junto ao COI (Comitê Olímpico Internacional) a permissão da entrada das mulheres em diversas modalidades, pedido esse que foi acatado de forma não oficial.

No ano de 1928, o COI decidiu aprovar a inclusão de provas de atletismo para as mulheres nas Olimpíadas. Porém, nessa época, as mulheres ainda eram muito subestimadas no esporte e acreditava-se que elas não eram capazes de correr grandes distâncias, sendo então restritas às modalidades de curta distância.

Por conta disso, muitas outras mulheres passaram a protestar contra esse pré-julgamento, desafiando as regras ao participarem de provas que até então eram exclusivamente masculinas, como por exemplo, a Maratona de Boston, São Silvestre, entre outras, derrubando a ideia de que as mulheres eram frágeis para longas distâncias.

Foi somente no ano de 1936 que o COI decidiu reconhecer de fato as mulheres como atletas olímpicas, enquanto a presença de mulheres em corridas de longa distância foi parcialmente consolidada somente em 1984. Ainda assim, as mulheres só passaram a ter direito de participar de todas as modalidades olímpicas em 2012, o que é considerado ainda muito recente.

Nos jogos olímpicos de Los Angeles, em 1984, ano em que ocorreu a primeira maratona olímpica feminina da história dos jogos, Gabrielle Andersen protagonizou uma das cenas mais impactantes e emocionantes do esporte. Por conta do forte calor, ela cruzou a linha de chegada com câimbras, exausta, mas sem desistir nem um segundo, sendo mais um estímulo para as mulheres na época.

No Brasil, também temos uma personalidade de destaque que influenciou as esportistas brasileiras. Maria Lenk, com apenas 17 anos, em 1932, foi a primeira brasileira a participar de uma Olimpíada, o que foi um grande incentivo para outras mulheres iniciarem suas carreiras desportivas. Marta Vieira da Silva também é uma brasileira de destaque internacional por conta do seu talento no futebol feminino. Entrou para o futebol profissional em 2000 e é considerada uma das melhores jogadoras de futebol do mundo.

Além da carreira olímpica, outros esportes não olímpicos também tiveram personagens femininas importantes para a igualdade de gênero. Nas lutas, que antes eram proibidas para mulheres em nosso país, podemos destacar nomes como Ronda Rousey, que se tornou uma das maiores estrelas da atualidade de MMA, sendo a primeira ganhadora da categoria de peso-galo na UFC (originalmente competida apenas por homens).

Quer saber mais e se conectar com o mundo do esporte? Acesse nossa plataforma e cadastre-se agora mesmo!