Nosso Blog
Saiba como foi o 1º dia das Paralimpíadas Universitárias

Saiba como foi o 1º dia das Paralimpíadas Universitárias

O primeiro dia de competições da terceira edição das Paralimpíadas Universitárias foi alucinante. Oito esportes movimentaram simultaneamente o CT Paralímpico nesta quinta-feira (25), em São Paulo. Em alguns esportes, como o atletismo e a natação, houve inclusive a entrega das primeiras medalhas.

A AtletasNow, que traz uma cobertura especial das Paralimpíadas Universitárias, esteve presente no evento e traz o que de melhor aconteceu neste segundo dia, desde os principais resultados até as grandes histórias. Confira:

Atletismo

O primeiro dia de atletismo nas Paralimpíadas Universitárias rendeu um festival de medalhas e contou com a presença de atletas ilustres.

Um deles é Edevaldo Pereira da Silva, da seleção brasileira paralímpica de lançamento de dardo. Convocado para o Parapan-Americano de Lima, Edevaldo enalteceu a realização das Paralimpíadas Universitárias.

“É um evento que na verdade ajuda não só o atleta de alto nível, mas também o estudante. Esporte e educação precisam andar juntos. E eu acredito que ainda vamos colher grandes frutos em cima dessa Paralimpíada Universitária”, disse o atleta da seleção à AtletasNow.

Edevaldo Silva só compete na sexta (26) em sua modalidade principal, que é o lançamento de dardo. Mas nem por isso deixou de se destacar no primeiro dia. Na categoria T44 do arremesso de peso, o atleta da seleção bateu o recorde universitário e ficou com o ouro.

As provas de pista também levaram o público ao delírio. Na categoria T44 dos 100 metros, o ouro ficou para o goiano Uárlio Barbosa, estudante de administração da Estácio de Sá.

A prata ficou com o cearense Jonny Paiva, de Itaitinga. Ele compete há três anos no atletismo e está em busca de um feito ainda maior. “Tenho mais duas provas pra fazer na sexta e espero que daqui pra frente venham outros grandes resultados”, disse ele.

Basquete 3×3

O basquete 3×3 é uma versão reduzida do basquete em cadeira de rodas, com três jogadores em cada time e só uma cesta.

A disputa da modalidade nas Paralimpíadas Universitárias conta com a participação de três seleções: São Paulo, Paraná e Minas Gerais.

Até o momento, a seleção de São Paulo está invicta na competição. Um dos destaques da equipe é o ala-armador Henrique Morais. Em 1999, ele foi vítima de um assalto, sofreu dois tiros e ficou paraplégico. Foi quando Henrique foi apresentado ao basquete em cadeira de rodas e viu sua vida mudar.

“Eu não tinha contato com muitas pessoas com deficiência, mas quando cheguei lá o grupo me abraçou e transformou minha vida. Aprendi a viajar sozinho, fui vendo a liberdade que meus companheiros tinham e fui adquirindo qualidade de vida. Não sei mais viver sem o basquete”, disse o atleta.

Bocha

A bocha é um dos esportes mais peculiares das Paralimpíadas Universitárias. Neste primeiro dia de competição, foram disputados os jogos da fase classificatória. Nesta sexta, teremos as partidas de semifinal e final.

Mas o que roubou a cena mesmo foi uma das histórias mais encantadoras do torneio: a da atleta Amanda Alether. Portadora da síndrome de Leigh, enfermidade que ataca o sistema nervoso central, a mineira está em sua segunda graduação (formada em Publicidade e Propaganda e estudante de Jornalismo) e dá palestras sobre motivação.

A tecnologia é fundamental na vida de Amanda, pois é através de computadores, tablets e smartphones que ela consegue se expressar. Foi assim que ela se comunicou com a nossa reportagem. “Meus pais descobriram a síndrome quando eu tinha quatro anos. Até então eu levava uma vida típica: andava, falava e corria. A mensagem que eu deixo para as outras pessoas com deficiência é que elas sonhem, sonhem até que eles se realizem”.

Judô

O judô também já distribuiu medalhas no primeiro dia de disputa.

Uma delas foi conquistada pelo paraibano Saulo Feliciano. O atleta de Campina Grande ficou com a medalha de prata na categoria até 60 quilos. Em novembro, ele disputará o Grand Prix de Judô Paralímpico, também em São Paulo.

Natação

Assim como o atletismo, a natação conta com inúmeras categorias e distribuiu medalhas a todo vapor.

Uma das instituições mais vitoriosas do primeiro dia foi o Centro Universitário Celso Lisboa, do Rio de Janeiro – a propósito, os atuais campeões das Paralimpíadas Universitárias.

Nesta abertura, eles já ganharam seis ouros só na natação, dois deles com Maressa Calmon, na classe S11 (visual).

Outro campeão do dia foi o paranaense Gabriel Anthony, ouro nos 100 metros livre da classe S6. Ele ainda compete nesta sexta-feira nos 100 metros peito e nos 50m livre da sua categoria.

Quem também se destacou foi Caroline Barbarino. A atleta de Joinville fez os 100m livre da classe S9 em 1:19:80 e ficou com o ouro.

Parabadminton

A disputa do parabadminton terá seis finais de categorias disputadas na sexta-feira.

A modalidade nas Paralimpíadas Universitárias reúne atletas de destaque, como o paranaense Leonardo Zuffo, da seleção brasileira. Na sua categoria, Zuffo fará a final contra o carioca Miguel Longo Vieira, a partir das 9h.

Tênis em cadeira de rodas

O tênis de quadra em cadeira de rodas é um dos esportes paralímpicos que mais se assemelham à modalidade convencional.

A entrega de medalhas será apenas na sexta, mas já temos um campeão antecipado: Samuel Oliveira. O atleta carioca tem até experiência internacional. No mês passado, Samuel dois torneios da ITF [Federação Internacional de Tênis] na Croácia.

Nas Paralimpíadas Universitárias, Samuel venceu seus dois adversários, o paulista Caio Gonçalves e o acreano Frank Brito.

Tênis de mesa

O primeiro dia do tênis de mesa foi marcado pelos jogos da chave de duplas. Nesta sexta, acontecem as partidas de simples.

Paralimpiadas Universitárias 2019

Nesta edição, nada menos do que 382 atletas de 21 estados mais o Distrito Federal se inscreveram na competição. Porém, cabe lembrar que a disputa não é por estados, e sim por instituições de ensino.

O objetivo das Paralimpíadas Universitárias é estimular a prática esportiva de estudantes universitários com deficiência física, visual ou intelectual.

A AtletasNow está presente em todos os dias das Paralimpíadas Universitárias e traz uma cobertura exclusiva através do blog e das redes sociais. A missão da plataforma é dar visibilidade ao esporte paralímpico brasileiro e gerar oportunidades através da nossa rede social esportiva.

[]